O Golpe do OneCoin: a História Impressionante do Maior Esquema de Pirâmide (Ponzi) de Criptomoedas da História
Crypto Basics

O Golpe do OneCoin: a História Impressionante do Maior Esquema de Pirâmide (Ponzi) de Criptomoedas da História

15m
7 months ago

Com a temporada de mercado de baixa das criptomoedas, vamos dar uma olhada em um dos mais antigos esquemas de pirâmide (Ponzi) de criptomoedas de 2016 - como ele ficou tão grande?

O Golpe do OneCoin: a História Impressionante do Maior Esquema de Pirâmide (Ponzi) de Criptomoedas da História

Índice

É verão de 2016.

Imagine-se entre os 90.000 torcedores no Estádio de Wembley, em Londres. Mas você não está lá para torcer por um time em um evento esportivo, ou cantar as músicas de um concerto.

Você está participando do evento da Dra. Ruja Ignatova, a CEO da OneCoin, a segunda maior criptomoeda do mundo por capitalização de mercado.

Assista ao vídeo a seguir até o minuto 8:35:

Isso parece uma boa oportunidade de investimento para você?

Pareceu para milhões de pessoas.

Esta é a história surpreendente do maior esquema de criptomoedas da história: o esquema de pirâmide Ponzi da OneCoin. Provavelmente, o esquema de criptomoedas mais influente até hoje, a história da OneCoin não é uma história que você conta rapidamente. A Alexandria da CMC dividiu em partes:

  • O que foi o esquema da OneCoin?
  • Quem estava por trás da OneCoin?
  • Como a OneCoin fraudou bilhões de dólares das pessoas?
  • Por que a OneCoin foi tão bem sucedida?
  • Como o esquema foi revelado?
  • Quem foram as vítimas da OneCoin?
  • O que aconteceu com os golpistas da OneCoin?

Cada parte da história contém um resumo visual do início. No entanto, para compreender completamente esta história espantosa de ganância, engano e assassinato, recomendamos que você leia o texto completo de cada parte e as versões da mídia.

Join us in showcasing the cryptocurrency revolution, one newsletter at a time. Subscribe now to get daily news and market updates right to your inbox, along with our millions of other subscribers (that’s right, millions love us!) — what are you waiting for?

O Que Foi o Esquema da OneCoin?

Quando a Dra. Ruja Ignatova subiu no palco do Estádio de Wembley em junho de 2016, a OneCoin já estava no mercado há mais de 18 anos.

Fundada no final de 2014, o material promocional da OneCoin se apresentava como sendo a próxima grande criptomoeda que seria "melhor que o Bitcoin". A OneCoin realmente tornou-se grande — na época da aparição da Sra. Ignatova em Wembley, sua capitalização de mercado era mais de 50% do Bitcoin. No entanto, não foi melhor que o Bitcoin, mas um gigantesco esquema de pirâmide Ponzi escondido atrás de algumas técnicas de marketing multinível (MLM).

A OneCoin prometeu todas as palavras bonitas que as criptomoedas na época (e ainda hoje) dizem para ganhar credibilidade:

  • Transações seguras...
  • Fácil de usar...
  • Barato e rápido...

Os compradores podem minerar a OneCoins, que eventualmente chegaria ao mercado e revolucionaria os pagamentos globais.

Porém, na realidade, a OneCoin nunca valeu nada. A suposta blockchain por trás das moedas nunca existiu (falaremos mais sobre isso depois). Os usuários das moedas emitidas nunca puderam trocá-las fora do site.

A OneCoin fez dinheiro vendendo material educativo e usando sua criptomoeda como veículo de marketing. A Sra. Ignatova enfatizou a importância da "educação" em Wembley (assista por 60 segundos):
Apresentaremos os detalhes de como a OneCoin enganou seus usuários um pouco mais tarde, mas é seguro dizer que ela funcionou incrivelmente bem. O golpe da OneCoin é acusado de fraudar usuários entre US$4 e US$15 bilhões.
No entanto, a OneCoin foi acusada de ser um esquema Ponzi MLM mesmo antes de ter oficialmente quebrado. Em 2015, a Cointelegraph escreveu:

> “Há uma quantidade considerável de evidências que contribuem para indicar que a OneCoin é um esquema de pirâmide. Seus diretores já estiveram envolvidos em outras operações fraudulentas conhecidas, não há evidências da existência dos recursos oferecidos comercialmente e a documentação que fundamenta os recursos é conflitante com as próprias reivindicações pessoais."

O golpe da OneCoin tornou-se tão grande que vários bancos centrais advertiram contra investir nela, como o Banco Nacional da Croácia em 2017, e os bancos centrais da Letônia, Suécia e Noruega em 2016. Em 2017, a Germany‘s Federal Financial Supervisory Authority emitiu ordens de cessação e desistência para a OneCoin. No mesmo ano, Ruja Ignatova desapareceu.

A polícia búlgara eventualmente invadiu a sede da OneCoin em Sofia, na Bulgária, em janeiro de 2018. Os co-fundados da Sra. Ignatova, Sebastian Greenwood, e seu irmão Konstantin Ignatov foram presos em 2018 e 2019, respectivamente. A OneCoin deixou de existir em 2019, embora os processos e investigações continuem até hoje.

Mas a principal fundadora da OneCoin, Dra. Ruja Ignatova, sumiu há mais de quatro anos sem deixar vestígios.

Quem é e o que aconteceu com ela?

Quem Estava por Trás da OneCoin?

O Desaparecimento da Rainha da Criptomoeda — como a Ruja Ignatova foi apelidada em uma série de podcast da BBC sobre o golpe da OneCoin — é muito provavelmente a dona de uma cobertura avaliada em US$17,75 milhões no chique distrito de Kensington, em Londres. Isso foi revelado durante um julgamento de lavagem de dinheiro contra seu advogado alemão, Martin Breidenbach, no final de 2021. No entanto, embora a Dra. Ignatova planejasse se estabelecer em Londres (ela comemorou seu 36º aniversário no Museum Victoria & Albert em 2016), a casa tem estado praticamente vazia desde que ela desapareceu no final de outubro de 2017.
O começo da Ruja Ignatova foi mais humilde. Nascida em maio de 1980 na Bulgária, sua família emigrou para Schramberg, Alemanha, quando Ruja tinha dez anos. Mesmo muito jovem, ela parecia ter um dom para luxo extravagante: seus antigos colegas de escola dizem que Ruja nunca foi à escola sem batom vermelho e unhas feitas.
Ignatova se formou em PhD na International Law de University of Konstanz em 2006. De acordo com a BBC, o ex-marido da Sra. Ignatova era alemão e advogado da Linklaters, um escritório global sediado em Londres. Os dois tiveram uma filha juntos no final de 2016.
Mas a Dra. Ignatova tinha maiores planos para o seu futuro do que um estilo de vida seguro de classe média alta na Alemanha. Desde sua suposta passagem pela McKinsey na Bulgária, ela "salvou" uma empresa de máquinas alemã em 2021. Pelo menos, era isso que dizia em seu currículo. Mas após "salvar a empresa" da falência e revendê-la, os novos proprietários tiveram que declarar falência, já que Ignatova e seu pai haviam saqueado os ativos da empresa. Ambos foram condenados por fraude e a sentença de prisão foi suspensa.
Em 2014, Ruja atingiu o ápice do golpista com o lançamento da OneCoin ao lado de outros integrantes importantes desta história: Sebastian Greenwood e seu irmão Konstantin Ignatov. Ignatova conheceu Greenwood em seu "golpe experimental" da BigCoin, que foi uma versão alfa do esquema OneCoin. Muitos dos esquemas e dinâmica do golpe BigCoin foram reutilizados na OneCoin.
O Sr. Greenwood era um golpista conhecido. De acordo com a Cointelegraph, ele lançou um esquema de pirâmide escondido atrás das práticas do MLM chamado de Unaico antes da OneCoin. Embora a Greenwood figure em todos os resumos do drama OneCoin, seu papel exato além de ser o “rosto público da OneCoin“ permanece pouco claro.

Ruja tinha jeito para o glamour e recebeu estrelas pop mundialmente famosas por concertos particulares em seu iate:

Mas Konstantin é descrito como um cara mais calmo e um mulherengo, que tem várias mulheres em diferentes cidades esperando por ele. Outros dizem que ele era apenas um “idiota útil“ que desempenhou um papel importante, mas não dominou o esquema.
Durante seu testemunho contra sua irmã, ele se declarou culpado de ter executado o esquema da OneCoin desde que ela desapareceu. Ainda não está claro se, e o que, ele sabe sobre o ato de desaparecimento de sua irmã e se ele estava envolvido nisso. De acordo com o próprio Ignatov, a última informação que ele tem é que sua irmã estava cansada de tantos “haters“ do projeto.
Ainda assim, os golpes de criptomoedas são um grão de arroz nesse universo. Como exatamente a OneCoin passou de um rug pull (puxada de tapete) para um culto que enganou as pessoas em bilhões de dólares?

Como a OneCoin Fraudou Bilhões de Dólares das Pessoas?

Uma resposta curta: identificar os pontos fracos das pessoas (ganância) e usar a falta de entendimento técnico para explorá-los.

A resposta longa revela como o esquema da Dra. Ignatova foi sempre conceitualizado com a estratégia de esquema de saída: “Pegue o dinheiro, corra e culpe outra pessoa.“
Para entender porque o esquema da OneCoin funcionou, precisamos voltar para uma época mais simples das criptomoedas. Uma época em que o Bitcoin era negociado pouco acima de US$500, a Litecoin ainda era uma moeda entre as cinco primeiras e sua utilidade girava em torno do uso da cripto na darkweb. No entanto, muitas moedas prometiam o mesmo que a OneCoin (pagamentos simples! barato! seguro!), nenhuma tinha a atração de marketing de uma mulher carismática com um PhD e experiência trabalhando nas principais consultorias. A Dra. Ignatova até apareceu na versão búlgara da Forbes. Como ela não poderia ser legítima?

É claro, a capa era apenas um anúncio pago. Mas as canções de sereia para a riqueza fácil para aqueles que perderam o trem do Bitcoin (ele passou de 0 para mais de US$500!) foram muito tentadoras. A monetização do esquema foi desagradavelmente simples: vender "pacotes educativo" sobre criptomoedas, permitindo que você:

a) seja um investidor informado e;

b) minere OneCoins que mais tarde iriam disparar em valor.

Não é preciso dizer que os pacotes vieram com nomes extravagantes e não tinham quase nenhum limite máximo de preço.

Mais tarde, pacotes ainda mais caros foram lançados no mercado com custos como €225,000!

No entanto, as moedas nunca estiveram disponíveis para negociação pública. Embora elas tivessem um valor interno nominal no site da OneCoin, os usuários não podiam sacar o dinheiro e só podiam transferir suas moedas em quantidades limitadas dentro do sistema fechado. Behind MLM, um site que descobre fraudes de MLM, detalhou um exemplo de como um restaurante em 2016 estava disposto a aceitar o pagamento de refeições com OneCoins — mas apenas 0,16% do seu valor nominal. Uma refeição que custava £13,99 poderia ser paga com 1.399 OneCoins, que valiam £8.572 GBP, de acordo com o site.
Mas havia muita coisa por trás da OneCoin além dos cursos de criptomoedas com conteúdo plagiado. O que permitiu que o golpe crescesse para bilhões?

Por Que a OneCoin Foi Tão Bem Sucedida?

O artigo da BBC „O Desaparecimento da Rainha da Criptomoeda“ dá uma visão do que atraiu investidores para a OneCoin:

> „Muitos investidores nos disseram que o que os atraiu inicialmente foi o medo de que eles perderiam a próxima grande oportunidade. Eles tinham lido, e invejado, as pessoas que brilharam com o Bitcoin e pensaram que a OneCoin era a segunda grande oportunidade. Muitos ficaram impressionados com a personalidade e persuasão da 'visionária" Dra Ruja. Os investidores podiam não entender da tecnologia, mas eles puderam vê-la falando com grandes audiências, ou na conferência the Economist. Mostraram imagens de seus numerosos títulos e cópias da revista Forbes com sua foto na capa.“

Mas a autoridade e a cortina de fumaça tecnológica são apenas metade da história. O que também incentivou as vítimas foi um senso de comunidade. A OneCoin foi para seus crentes uma segunda chance para aqueles que perderam o Bitcoin, mas ainda assim acreditavam que as criptomoedas eram revolucionárias. Era um culto bem intencionado.

Em nenhum lugar isso foi mais óbvio do que no exemplo do Jen McAdam, uma escocesa cujo investimento na OneCoin e a revelação de que se tratava de um golpe chegou às manchetes do Reino Unido.

Ela se lembra de entrar na webinar da OneCoin e de ter sido levada pelo estilo "muito atualizado, cheio de promessas, cheio de paixão" dos apresentadores. Ela investiu €10.000 de seu próprio dinheiro e convenceu amigos e familiares a investirem €250.000. Mas alguns meses depois, Jen recebeu uma mensagem de Tim Curry, um entusiasta do Bitcoin que estava educando as pessoas sobre as práticas fraudulentas da OneCoin.

Após meses, Jen começou a fazer perguntas. Com sua persistência, ela acabou descobrindo que não havia nenhuma blockchain por trás da OneCoin. Tudo era baseado em um servidor SQL, que não era uma blockchain, algo que Jen já conseguia entender.

(Foirevelado, em um processo judicial em trâmite, que a OneCoin realmente tinha uma blockchain, mas era uma blockchain privada que provavelmente não foi usada para transações).

A chance de ficar rico atraiu pessoas como Jen, e os aspectos que se assemelham a um culto derrubaram o seu pensamento crítico. Ela se lembra de uma entrevista à BBC:

> “Eles falam para você não acreditar em nada do "mundo exterior", ela disse. "É assim que eles chamam isso. "Haters" - Os Bitcoiners são "haters". Até o Google - "Não escute o Google!" Qualquer crítica ou pergunta incômoda era ativamente desencorajada. "Se você tiver qualquer negatividade, você não deve estar neste grupo".

Mas qual foi o tamanho do sucesso do golpe da OneCoin?
Altamente bem sucedido, de acordo com diferentes estimativas. A Cointelegraph estima que as vendas geraram receitas de US$4.4 e $19.4 bilhões. A BBC atingiu números de receita trimestrais detalhando nove dígitos ao longo de meses.
No ano passado, solicitaram que as autoridades policiais de Seychelles investigassem as transações de 230.000 Bitcoin que, rumores diziam, estavam ligados ao esquema.
As alegações do esquema Ponzi surgiram em 2015, mas a OneCoin parou de operar apenas em 2019. Por que?

Como a Fraude da OneCoin Foi Revelada?

Se uma pessoa altamente pontual está atrasada, você começa a se perguntar o que aconteceu com ela. Mas se ela não aparecer, algo provavelmente está errado.

Esse também foi o caso da Ruja Ignatova em uma convenção de promotores da OneCoin em Lisboa, em outubro de 2017. Os promotores doutrinados temiam que sua chefe tivesse morrido ou sido sequestrada por seus inimigos - os bancos. Mas de acordo com o relatório da BBC, os documentos do processo revelaram que a mestre por trás da OneCoin embarcou num voo de Sofia para Atenas duas semanas após o evento em Lisboa. Seu paradeiro naquelas duas semanas permanece um mistério, e é aí que seu rastro se perde.

Com a Dra Ignatova escondida, era a vez do seu irmão assumir o controle. As autoridades búlgaras invadiram a sede da OneCoin no início de 2018, mas os promotores alemães solicitaram que o site do golpe continuasse operando.

Naquela época, começou a se espalhar a notícia de que a OneCoin era um esquema. O famoso Björn Bjercke, um desenvolvedor de blockchain, foi contatado pela equipe da OneCoin para construir sua blockchain. Ele explicou como a equipe não tinha ideia do que era a tecnologia blockchain e avisou as pessoas sobre os riscos de investir na OneCoin.
Mas o esquema só parou realmente depois que Konstantin Ignatov foi preso em Los Angeles em março de 2019. Ele, mais tarde, se declarou culpado e entrou no programa de proteção às testemunhas. O site da OneCoin foi encerrado em dezembro de 2019.
Jen McAdams é apenas um exemplo das vítimas da fraude. A OneCoin foi um esquema Ponzi global, e as vítimas do golpe estão desde bairros influentes de Amsterdã até favelas ugandesas.

Quem Foram as Vítimas do OneCoin?

O podcast o Desaparecimento da Rainha da Criptomoeda visitou as vítimas do esquema no mundo todo. Alguns dos supostamente 3.5 milhões de usuários estavam a milhares de quilômetros de distância.
Igor Alberts e Andrea Cimbala são experientes especialistas de MLM, e vivem em um bairro chique de Amsterdã. Quando os dois participaram de sua primeira conferência da OneCoin em maio de 2015, eles ganharam €90.000 em seu primeiro mês.
Embora o marketing multinível tenha uma má reputação pela presença de fraudadores, isso não é uma prática ilegal. O Sr. Albert aperfeiçoou suas habilidades de MLM antes de se juntar ao culto da OneCoin e achou fácil colocá-los para trabalhar com um público ávido por dinheiro fácil. Em pouco tempo, eles ganharam €2 milhões por mês e usaram parte do dinheiro para comprar mais OneCoins, já que buscavam riquezas maiores. Alberts até fez planos de quantas OneCoins ele precisava para se tornar um bilionário.
A BBC descreve como a Dra. Ignatova conseguiu o plano perfeito mal: usando os canais de venda estabelecidos dos marketeiros MLM para seu produto falso. Mas quando ela desapareceu, Igor Alberts pediu provas das prometidas blockchains. Foi em vão, e ele desistiu em dezembro de 2017:

> “Eu me senti responsável. Não culpado [...] Você nunca pode ser culpado por acreditar em algo. Eu não tinha ideia de que isso poderia ser falso. Eu nem sabia o que era uma blockchain...Como teria dúvidas?"

Do lado extremo oposto, os repórteres revelaram a história de Daniel Lienhardt, um ugandês de 22 anos que investiu US$250 em um pacote inicial da OneCoin.
Os repórteres visitaram a favela onde vivia Daniel e o promotor da OneCoin, Prudence, que o indicou. Daniel vendeu três cabras e suas economias para cair no golpe em 2017. Naquela época, a Europa estava entregando menos dinheiro para a OneCoin, mas as nações em desenvolvimento ainda estavam investindo fortemente. No momento em que o podcast detalhou o golpe em 2019, Daniel e Prudence - que pararam de investir na OneCoin, ainda não tinham contado às vítimas que o dinheiro tinha ido embora:

>“Eu estou de alguma forma me escondendo. Eu não quero que aquelas pessoas que eu apresentei para a OneCoin me vejam. Elas podem facilmente me matar. Elas acham que eu comi o dinheiro delas".

Até sua mãe ainda não sabia o que tinha acontecido com o investimento deles.

Jen McAdam, uma mulher de Glasgow que trabalhou pela conscientização do esquema, estava ajudando outras vítimas a expor o esquema e recuperar os fundos:

> “Há 3 anos eu e uma rede de pessoas em todo o mundo temos exposto o Golpe da OneCoin e trabalhamos com autoridades em todo o mundo. Meu foco pessoal também tem sido buscar justiça para as vítimas. Isso inclui ajudar e apoiar vítimas as globalmente, aumentar a conscientização focando e falando com a mídia global, e participar e trabalhar com a BBC para o seu podcast de sucesso "The Missing Cryptoqueen" (O Desaparecimento da Rainha da Criptomoeda)

Ainda resta uma última pergunta: o que aconteceu com Ruja Ignatova e seus cúmplices?

O Que Aconteceu Com os Golpistas da OneCoin?

Sebastian Greenwood, o grande golpista e "rosto da marca" foi indiciado e está preso em Nova Iorque aguardando seu julgamento. No ano passado, descobriu-se que ele movimentou US$20 milhões de um telefone contrabandeado.
Konstantin Ignatov se declarou culpado e revelou que sua irmã tinha medo de ser denunciada para a polícia federal antes de desaparecer. De acordo com ele, Ruja Ignatova tinha conseguido um "grande passaporte" e pediu por passagens de avião para Viena e Atenas antes de desaparecer. No entanto, apesar de entrar no programa de proteção às testemunhas, Ignatov provavelmente mentiu no julgamento em relação a duas acusações. Um noticiário alemão de fevereiro de 2022 encontrou mensagens de diferentes mulheres, aludindo que Ignatov provavelmente está novamente atrás das grades e pode ter perdido seu valor como testemunha contra os malfeitores do caso.
Há vários julgamentos em andamento na Alemanha contra advogados que cooperaram com a Dra. Ignatova. No entanto, nenhum deles foi concluído até abril de 2022.
O podcast o Desaparecimento da Rainha da Criptomoeda fez a pesquisa mais detalhada que há até o momento sobre o paradeiro da Ruja Ignatova. Eles descobriram rumores que ela teria passaportes russos e ucranianos e que viajaria entre a Rússia e Dubai. Outros dizem que ela pode estar escondida no meio da multidão graças à cirurgia plástica.
Os jornalistas da BBC contrataram um investigador particular, que alegou ter recebido informações de colegas de que a Dra. Ignatova estava passeando em restaurantes de Atenas. Eles também visitaram o infame concurso de beleza da OneCoin, ao qual se dizia que a doutora compareceu, mas não foram capazes de identificá-la. Ao contrário dos sites da OneCoin, Miss Onelife ainda está online e até mesmo lista a Onelife, o braço de marketing do esquema, entre seus maiores patrocinadores.

Outra trilha levou os repórteres a Frankfurt, onde vive o ex-marido de Ruja. No entanto, apesar de receberem informações de "uma fonte confiável" de que a Dra. Ignatova realmente passa tempo em Frankfurt, eles não conseguiram localizá-la.

Não se sabe se em algum momento a Ruja Ignatova ressurgirá. Em 2021, vincularam a OneCoin ao financiamento ao terrorismo:

Em 11 de maio de 2021, Inner City Press recebeu uma mensagem e depois um e-mail sobre uma ação judicial movida contra a OneCoin e Ruja e Bitcoin. Isso mostrava que a "Rainha das criptomoedas" Ruja Ignatova pode estar sob a proteção de um poderoso patrocinador estatal do terror no Oriente Médio.

[...]

O documento alertou que a OneCoin de Ruja Ignatova era uma fachada para o financiamento ao terrorismo.

[...]

Ruja Ignatova entrou nos Emirados Árabes Unidos usando um passaporte diplomático pelo Aeroporto Internacional de Dubai em um avião particular e em posse de uma grande soma de dinheiro.

[...]

Ignatova usou contas no Mashreq Bank para lavar dinheiro para grupos terroristas e fez várias transferências bancárias para o Afeganistão, Paquistão e Iêmen, o que inclui organizações terroristas. A inteligência de Kuwaiti acredita que Ignatova estava trabalhando para um representante estatal terrorista.

Conclusão

De todos os golpes envolvendo criptomoedas e esquemas Ponzi, a OneCoin foi p pior, porém o mais fascinante.

Os pontos de destaque ao redor da história principal são:

E por último, mas não menos importante, uma falsa "declaração oficial" da Ruja Ignatova alegando que OneCoin está retomando seu trabalho:

Esperamos que você tenha se divertido tanto lendo esta história quanto nós escrevendo, e lembre-se: se for bom demais para ser verdade, provavelmente é um esquema.
Este artigo contém links para sites de terceiros ou outros conteúdos apenas para fins informativos (“Sites de Terceiros”). Os Sites de Terceiros não estão sob o controle da CoinMarketCap, e a CoinMarketCap não é responsável pelo conteúdo de qualquer Site de Terceiros, incluindo, mas não se limitando, a qualquer link contido em um Site de Terceiros, ou quaisquer alterações ou atualizações do Site de Terceiros. A CoinMarketCap fornece esses links para você apenas para conveniência, e a inclusão de qualquer link não implica endosso, aprovação ou recomendação do site pela CoinMarketCap ou qualquer associação com seus operadores. Este artigo deve ser usado e deve ser usado apenas para fins informativos. É importante fazer sua própria pesquisa e análise antes de tomar qualquer decisão material relacionada a qualquer um dos produtos ou serviços descritos. Este artigo não se destina a, e não deve ser interpretado como, recomendação financeira. As visões e opiniões expressas neste artigo são do autor [da empresa] e não refletem necessariamente as da CoinMarketCap.
6 people liked this article